Archive for the ‘Distrito de Vila Real’ Category

Rainforest em Murça

Murça vai acolher nos dias, 6, 7, 8, 9 e 10 de Setembro e pela 9ª vez consecutiva, a mítica prova de TT Aventura o RAINFOREST 2011 PROVA INTERNATIONAL DE TRIAL 4×4.

O seu principal atractivo e finalidade consiste nas dificuldades existentes ao longo do seu espectacular percurso dado que, na sua maior parte, a competição desenrola-se em terrenos praticamente impraticáveis, mesmo para veículos de todo-o-terreno.

Tendo, desde a 1ª edição (2003), um forte apoio da Câmara Municipal de Murça, cabendo ao seu presidente, João Teixeira, a principal responsabilidade, desta importante aposta, que desde a primeira hora, teve a visão da reconhecida vantagem para Murça em apostar na promoção da gastronomia, dos vinhos, azeites e outros produtos locais, assim como o turismo de qualidade, os usos, costumes e tradições, aliados à beleza natural, é sem dúvida um património riquíssimo do concelho murcense, podendo assim aproveitar as vantagens promocionais deste projecto, proporcionado pela cobertura por parte dos Média e pela vinda e fixação a Murça durante os dias da prova, fruto da grande popularidade do desporto automóvel.

A prova deste ano vai contar novamente com a participação dos 30 concorrentes permitidos regulamentarmente, estando já assegurada a vinda de pilotos de vários países estrangeiros, que aliados aos melhores pilotos Portugueses, decerto vão assegurar mais uma vez o sucesso da prova, garantindo desde logo o maior espectáculo para o muito público que normalmente acorre a Murça.

A prova este ano à semelhança de 2010 inicia-se em Vimioso, com 2 dias de provas, uma paragem em Mirandela dia 05 e depois entra na fase final com 5 dias consecutivos de provas em Murça.

Gamado, aqui.

Anúncios

Couto Mixto

Por estes dias de Agosto, vamos dar uma voltas pela raia e ver que o melhor de Portugal até chega a entrar pela Espanha “adentro”. Começamos pelo “Couto Mixto”.

Antigamente, tínhamos histórias de pessoas que iam a Gibraltar e traziam o carro carregado de bugigangas para vender nas suas terras com boas margens de lucro. Hoje em dia, há quem faça o mesmo a partir de Andorra. São pequenos territórios que, pela independência ou autonomia e pela impostos baixos ou nulos, funcionam como off-shores.

Ora sucede que tínhamos uma pequena off-shore, uma pequenina Andorra, ali em Trás-os-Montes.
Os habitantes do Couto Mixto tinha toda a espécie de privilégios. Podiam escolher a nacionalidade que entendessem, portuguesa ou espanhola, que de resto era meramente indicativa. Não pagavam impostos, nem a Portugal, nem a Espanha; não tinham deveres militares, não tinham de participar nos processos políticos, e elegiam os seus próprios governantes locais.
O Couto foi vítima do reforço dos poderes dos estados-nacionais ao longo do século XIX. Talvez por mais pequeno ou mais acessível ou menos “oficial” que Andorra, o Couto foi extinto após a assinatura de um tratado entre Portugal e Espanha, o Tratado de Lisboa de 1864, que ironicamente é uma das principais fontes históricas de conhecimento sobre o Couto. Aqueles privilégios não interessavam a Lisboa e Madrid.
 

Couto Misto, com o caminho até Tourém

Além do território próprio, o Couto tinha ainda um outro privilégio: o caminho até à vila de Tourém, onde as autoridades portuguesas e galegas não tinham poderes para mandar parar os “mistos” e perguntar-lhes pelos artigos que levavam. Caminho esse que foi mais tarde usado pelas aldeias da raia para o contrabando, uma actividade arriscada mas que complementava os orçamentos familiares, e que é hoje utilizada (segundo dizem aqui) como rota pedestre.
Ao preço a que está o tabaco e com as subidas que se antevêem no IVA,  quem sabe se velhas actividades económicas não serão reactivadas…

Igreja de Santiago

Hoje, passados quase 150 anos, as memórias já estão muito apagadas. Só os mais velhos recordam as histórias que os seus avós contavam. Que se vivia muito melhor, pois então!, e que esses antepassados eram mais ricos que os seus descendentes. Ora obrigado! Não tinham a pesada canga fiscal das capitais ibéricas sobre os costados… Seriam cerca de 1000 habitantes; hoje, como em outras tantas zonas rurais e do interior, não chegarão aos 200 nas três aldeias de Santiago, Rubiás e Meaus.

Contudo, por aqui também se percebeu que é importante defender e apostar no que é diferente e único. A Associação Couto Mixto nasceu nos anos 90 e promove a defesa das memórias do Couto.

 

Couto Misto

O Couto é um mais um ponto de interesse nas terras do Barroso. Por aqui temos a proximidade do Gerês e, como resumiram os autores da Haka Barrosã, “há bruxedo, (todas as sextas-feiras 13!), há chegas de bois, há vitela, há cabrito, há fumeiro, há castelo, há Larouco, há presunto, há chouriça, há vinhaça!” Bons motivos para um passeio a Trás-os-Montes.

Mais para o lado de Chaves, as aldeias de Soutelinho da Raia, Cambedo e Lama de Arcos foram, em troca do Couto Mixto, definitivamente consagradas como pertencentes a Portugal. No entanto, a fronteira é tão grande que as capitais ibéricas se esqueceram de que havia mais aldeias sobre a linha divisória. Lá iremos brevemente.

Douro Film Harvest (Favaios)

Porque haveriam os eventos internacionais em Portugal de ser realizados exclusivamente em Lisboa ou, quando muito, no Algarve? O Douro Film Harvest vai para a sua terceira edição e realiza-se em Favaios, a capital “norte” do Moscatel.

“Como não podia deixar de ser, a adega local vai estar associada ao evento. O que se vai traduzir em muitas provas de vinho e enoturismo.

Este ano, na terceira edição, o DFH vai trazer convidados como o actor brasileiro José Wilker e também o realizador Cacá Diegues, três vezes nomeado para a Palma D’ouro no Festival de Cannes, que assinou filmes e novelas como “Xica da Silva” e “Tieta do Agreste”, onde trabalhou com José Wilker.

Vai haver também uma retrospectiva de filmes quase desconhecidos do realizador mais velho do mundo no activo, o portuense Manoel de Oliveira. Oportunidade única para ver em sala de cinema filmes como “A Caça” (1964) e “O Acto da Primavera” (1963). (…)
Este certame da sétima arte decorre entre os dias 5 e 11 de Setembro [de 2011]. (sacado daqui)

Douro Summer Fest em Vila real

O Natur Waterpark – Parque de Diversões do Douro, abre as portas no início de Agosto, em Vila Real, reunindo, no mesmo espaço, parque de campismo, parque aquático, parque aventura, mini golfe, driving range, paintball e quinta pedagógica, entre muitas outras actividades.

Para assinalar a abertura deste primeiro parque ecológico nacional, o Natur Waterpark apresenta o Douro Summer Fest, evento que terá continuidade numa base anual.

Samantha Fox e Europe abrem sexta feira, 12 de agosto, a programação do festival Douro Summer Fest no parque aquático Natur Park, em Vila Real, Trás-os-Montes.

A mulher de “Touch Me”, êxito pop dos anos 80, atualmente com 45 anos, e os suecos de “Final Countdown” atuam a 12 de agosto. A 13, há concertos das bandas de tributo a Queen e Scorpions, a 14 toca Mickael Carreira, a 20 a banda de tributo aos Pink Floyd e a 21 Tony Carreira.

Segundo notícia da Lusa, o recinto dos espetáculos tem 36 mil lugares, 34 mil já estão preenchidos “em quase todos os dias”.

O Douro Summer Fest marca a abertura do Natur Park, que nesta fase inicial deverá criar 80 postos de trabalho na região.

O preço dos bilhetes é de 20 euros (dia 12), 4 euros (dia 13) e 3 euros para cada um dos restantes dias.

Gamado, aqui.

Montalegre – Santuário das "chegas de bois"

As “chegas de bois”, verdadeiro símbolo cultural do concelho de Montalegre, são sinónimo de romaria.

Um produto turístico que arrasta paixões em volta de uma tradição que não se perde com a modernidade. Este fim de semana o recinto de “chegas de bois” do Senhor da Piedade, Montalegre, juntou centenas de pessoas num espetáculo único no país.

O recinto de “chegas de bois” do Senhor da Piedade, em Montalegre, foi palco, este passado fim de semana, de um grande espetáculo do desporto por excelência dos barrosões. Falamos das afamadas “chegas de bois”, verdadeira atração turística de um concelho que olha para esta tradição como uma mais valia. Centenas de pessoas assistiram a duas “chegas de bois”, de raça cruzada, onde não faltou emoção como facilmente se pode comprovar nas fotos que ilustram esta noticia.

Lembre-se que a Câmara Municipal de Montalegre tem apoiado, desde há largos anos, um torneio de “chegas de bois” de raça barrosã, cuja presente edição termina no próximo dia 11.

Festival do Ouro Romano (Vila Pouca de Aguiar)

Tal como Óbidos e outras localidades têm já a sua feira medieval, assim Vila Pouca de Aguiar recua à sua história e organiza no primeiro fim-de-semana de Setembro de 2011 (dias 3 e 4) o II Festival do Ouro Romano.

“O Festival do Ouro Romano recria, in loco, o ambiente vivido no período áureo da exploração mineira em Vila Pouca de Aguiar, durante o Império Romano, permitindo a dinamização do Complexo Mineiro de Tresminas, e a potencialização patrimonial e paisagística das grandes cortas a céu aberto. Mais do que uma feira romana, o I Festival do Ouro Romano pretende constituir um evento único em Portugal, em termos de recreação histórica e animação temática, pautado por elevados padrões de qualidade e rigor.”

“Integra mercado romano, com barraquinhas para mostra e venda de produtos de gastronomia da época (mel, compotas, frutos secos, etc.) bem como réplicas arqueológicas, recriações teatrais históricas, povoados e acampamentos militares, espaços lúdicos para crianças e demonstrações ao vivo dos ofícios que existiriam no quotidiano romano (ferreiro, oleiro, canteiro ou tecedeira). Os cortejos temáticos diurnos e noturnos, a realização de vários espetáculos musicais com gaitas-de-foles e percussão, cuspidores de fogo, a recriação dos jogos de gladiadores e dos banquetes romanos são a garantia de um fim-de-semana inesquecível.
Participe como figurante nos cortejos e banquetes romanos (inscreva-se pelo e-mail geral@vitaguiar.pt)”
(sacado daqui)

Feira do Mel e do Artesanato (Vila Pouca de Aguiar)

Decorre, no segundo fim de semana de Agosto 2011 (dias 13 a 15), mais uma edição da Feira do Mel e do Artesanato em Vila Pouca de Aguiar, no Parque Termal de Pedras Salgadas.

Programa:

FEIRA DO MEL E DO ARTESANATO
10ª Edição
13, 14 e 15 de Agosto de 2011
Parque Termal – Pedras Salgadas

Sábado, 13 de Agosto

14:00h – Cerimónia Oficial de Abertura da 10ª Edição da Feira do Mel e do Artesanato
– Prova de Mel
15:00h – Concurso de Qualidade do Mel
15:30h – Concurso dos melhores Rótulos de Mel
16:00h – “Doce Mel”: Concurso de Doçaria Confeccionada com Mel
21:30h – Sessão de entrega de Prémios
22:00h – XVII Festival de Folclore da ACREPES
Evento de cariz cultural e económico, realizado na Vila de Pedras Salgadas, destinado a realçar a produção de mel e artesanato do concelho, contando com a presença de um grande número de apicultores e artesão regionais. Visitado por pessoas de todo o concelho e turistas, verifica grande afluência. Privilegiam-se, na sua programação, espectáculos de música popular portuguesa. Os concursos de mel (qualidade do mel e rótulos), de doçaria confeccionada com mel e de peças de artesanato, são momentos bastante concorridos e animados.

Domingo, 14 de Agosto

14:00h – Abertura ao público
15:00h – Animação Musical
16:00h – Concurso de Peças de Artesanato
21:30h – Sessão de entrega de Prémios
22:00h – Espectáculo Musical com ZÉ AMARO E SUA BANDA

Segunda, 15 de Agosto

14:00h – Abertura ao público
14:00h – Perícias de Automóveis – Automóvel Clube de Pedras Salgadas (EBI Pedras Salgadas)
15:00h – Animação Musical
20:00h – Encerramento da Feira

(fonte: Vitaguiar)