Archive for the ‘Agricultura’ Category

Hortas comunitárias (Torre de Moncorvo)

(imagem daqui)

Economia, produção local, consciencialização ambiental: uma excelente iniciativa da Câmara Municipal de Torre de Moncorvo.

“A medida vai beneficiar 150 famílias. As hortas serão criadas num terreno do município situado na Quinta da Fonte de Carvalho (…) “A cada munícipe interessado é atribuído gratuitamente um talhão de 30 a 50 metros quadrados onde pode dedicar-se à agricultura e cultivar verduras e legumes, árvores de fruto, plantas medicinais, aromáticas e condimentares”, explica o município.” (sacado daqui)

Anúncios

Desfolhada e Malhada Típica em Esposende

A Câmara Municipal de Esposende e o Grupo de Cantares e Dançares de S. Paio de Antas, em colaboração com os agrupamentos folclóricos do concelho, vão organizar uma Desfolhada e Malhada típica no próximo dia 17.

Esta actividade agrícola tradicional está aberta à comunidade em geral e terá início com a saída em cortejo dos elementos dos ranchos participantes, ao que se segue, sob cânticos, o “virar do carro”, a desfolhada, na esperança de encontrar o milho-rei, bem como o malho das espigas, uma merenda colectiva e as rusgas ao som das tocatas dos grupos folclóricos.

Neste dia, às 15h00, no mesmo local, realizar-se-ão jogos tradicionais e venda de produtos locais.

Gamado, aqui.

Olivicultores transmontanos esperam um «ano regular»

Os olivicultores transmontanos esperam que a campanha que se aproxima corresponda a um ano médio com uma colheita de 90 milhões de quilos de azeite, embora as previsões estejam ainda dependentes dos imprevistos do tempo.

«Contamos com um ano regular, ou seja, uma produção sem grandes oscilações», disse hoje à Lusa António Branco, presidente da Associação de Olivicultores de Trás-os-Montes (AOTAD).
O azeite é a segunda produção com maior peso na economia transmontana, a seguir ao vinho, movimentando anualmente cerca de 27 milhões de euros.

O sector tem sido afectado, nos últimos anos, por intempéries, nomeadamente as geadas de 2007 que queimaram milhares de árvores, e que têm contribuído para que num ano regular a produção ronde os 90 milhões de quilos, quando podia atingir os 120 milhões em condições favoráveis, segundo contas da associação.

Ver artigo completo aqui

Agricultura em queda: Cereais e vinho são principais vítimas

Desde 2006 que a agricultura em Portugal não mostra sinais de recuperação e este ano está a piorar o cenário.

Segundo o relatório do Instituto Nacional de Estatística (INE) publicado ontem, a produção de cereais em Portugal foi a mais baixa de que há registo, com apenas 175 toneladas, uma quebra de 25% face ao ano passado, já ele um ano mau.

Os números preocupantes da produção agrícola não ficam contudo pelos cereais. Segundo o INE, a produção agrícola na sua esmagadora maioria está a baixar, em alguns casos a estagnar e só em casos muito pontuais a aumentar.

Se em 2010 a baixa produção dos cereais, que não chegava às 230 toneladas, foi explicado pela alta temperatura do mês de Julho e por este ter sido considerado o mês mais seco dos últimos 24 anos, este ano a produção de cereais atingiu um mínimo histórico, explicado desta vez por um Julho com temperaturas ligeiramente abaixo das normais, pela ausência de chuvas e pelo forte vento.

O aumento dos níveis de evapotranspiração levaram a uma diminuição da eficiência da rega, obrigando ao aumento da sua frequência. Assim sendo, as produções dos cereais confirmam as fracas expectativas previstas ao longo da campanha, com quebras face a 2010 que atingem 25% no trigo mole, trigo duro, triticale e cevada, e os 20% na aveia.

Ver artigo completo aqui

Reflectir para acautelar o futuro (Açores)

Agricultura e pecuária açoriana (imagem daqui)

Nos Açores, os políticos e os académicos estão a juntar-se para agir antes que alterações climáticas provoquem danos na agricultura e na economia locais.

“Podemos estar a assistir à transição para um incremento de um clima mediterrânico, que se caracteriza por menos chuva no verão, por exemplo, o que se pode acentuar na próxima década”, afirmou o investigador, acrescentando, no entanto, que “isto não é uma previsão mas um cenário”, realçou (…) Eduardo Brito Azevedo.
(…) “o clima que caracterizava o arquipélago dos Açores, com chuvas mais regulares por períodos mais pequenos de pluviosidade, pode estar em causa no futuro com chuvas mais dispersas no tempo, por períodos e intensidade mais longa”.
(..)

Por seu lado, o deputado regional do PSD/Açores António Ventura frisou que “sem água não é possível sustentar a agricultura”, defendendo “a implementação de medidas que ajustem a actividade agrícola à imponderabilidade do clima”.
(…)
“Como solução, defendemos uma aproximação da política à investigação e experimentação para encontrar novas espécies de cultivo de milho ou gramíneas e leguminosas que constituam pastagens mais resistentes à ausência de precipitação”, afirmou.
(…)
Para António Ventura, estas medidas permitiriam “evitar o grande perigo que é a dependência alimentar animal e, por consequência, humana”, procurando por isso “basear a alimentação na produção local”. (sacado daqui)

Agrival em Penafiel

Entre os dias 20 a 28 de Agosto, o Pavilhão de Feiras e Exposições de Penafiel recebe a 32ª Feira Agrícola do Vale do Sousa, considerada a maior feira Agrícola do Norte e Centro do País.

Em conferência de imprensa, Adolfo Amílcar, vereador das Feiras e Actividades Económicas na Câmara Municipal de Penafiel, destacou que esta feira “é auto-sustentável em termos financeiros, desde os últimos seis anos e a sua acção gera cerca de 4 milhões de euros de negócios”. Factores de mostram a sua importância a nível regional e nacional.

Durante os oito dias, a Agrival junta 300 expositores. Mais teria, não fosse o limite do espaço. Produção agrícola, gastronomia, maquinarias, gado, artesanato, moda, serviços e novas tecnologias, de tudo um pouco se pode encontrar neste certame.

À semelhança dos anos anteriores, o programa é variado e divide-se por dias temáticos. Cada dia é dedicado a um concelho da região, incluindo a Galiza. Na 10ª Mostra Nacional de Gastronomia, os visitantes podem apreciar pratos típicos de Trás-os-Montes ao Algarve.

Ver artigo completo aqui

Olivicultura biológica (Figueira de Castelo Rodrigo)

imagem CM Figueira Castelo Rodrigo

“A Casa da Cultura de Figueira de Castelo Rodrigo vai receber, nos dias 9 e 10 de setembro, as II Jornadas Nacionais de Olivicultura Biológica, subordinadas ao tema “Olival: Bens e Serviços do Ecossistema”. A organização é da responsabilidade da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), em conjunto com a Associação de Agricultores para a Produção Integrada de Frutos de Montanha (AAPIM), Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais Mediterrânicas/Universidade de Évora (ICAM/UE), Centro de Investigação de Montanha/Escola Superior Agrária de Bragança (CIMO/ESAB), Associação de Produtores de Azeite da Beira Interior (APABI) e Associação Transumância e Natureza (ATN), apoiadas pela Câmara Municipal de Figueira.

Estas jornadas pretendem promover a olivicultura biológica, “tipo de cultura que não usa fertilizantes químicos, nem pesticidas, logo é um género de agricultura que presta serviço ambiental e não prejudica a saúde, apesar de a produtividade ser menor”.
(sacado daqui)